Ultima atualização 18 de maio

Descomissionamento de poços de petróleo e gás: Desafios e soluções em garantias financeiras

Prazo para apresentação de garantias à ANP termina dia 30 de junho. Operadoras precisam definir as soluções com melhor custo-benefício para se adequarem à nova resolução
anp
(FOTO: CBIE)

O descomissionamento de poços de petróleo e gás é uma preocupação crescente no Brasil, especialmente porque muitos campos estão entrando em fase final de operação. O país representa 11% dos gastos globais das operadoras em atividades de descomissionamento, sendo o terceiro maior mercado do mundo, atrás apenas do Reino Unido e Estados Unidos. Até 2026, os investimentos necessários nessa área deverão superar R$ 51 bilhões.

Carolina Jardim

Considerando a magnitude do impacto ambiental potencial decorrente de um descomissionamento inadequado, somado ao risco de abandono de poços por falta de recursos, a ANP (Agência Nacional do Petróleo) passou a exigir garantias financeiras para o provisionamento obrigatório dos custos envolvidos.

A Resolução ANP 854/2021 é resultado de um processo de consulta pública iniciado em 2018 e 2020, no qual a Agência buscou inputs sobre como exigir essas garantias. A norma atual representa um avanço em relação à proposta inicial, que previa um valor fixo de garantia desde o início do projeto, mas foi considerado oneroso demais pelas empresas.

O Modelo de Aporte Progressivo (MAP)

A ANP desenvolveu uma metodologia de cálculo chamada Modelo de Aporte Progressivo, em que o valor a ser garantido é ajustado anualmente. Dessa forma, até dois anos antes do término da produção ou do contrato de concessão, 100% do valor do descomissionamento devem estar garantidos.

Há um cronograma estabelecido: para os contratos vigentes em fase de operação, as garantias devem ser apresentadas até 30 de junho do ano corrente e, em 31 de março do ano seguinte, é necessário calcular a atualização do valor. Para os novos contratos, a garantia financeira deverá ser apresentada em até 180 dias após o início da produção no campo.

A tendência é que o valor da garantia aumente a cada ano, alinhada ao crescimento da produção, a menos que a empresa antecipe algum custo de descomissionamento, o que será refletido no cálculo.

Por outro lado, se a metodologia de cálculo indicar que o valor da garantia deve aumentar, é preciso complementar esse valor, seja por meio do incremento do valor da garantia existente, seja com novas garantias. Até 30 de junho do próximo ano, a operadora deverá comprovar o reforço ou complementação.

Cinco modalidades de garantias financeiras podem ser combinadas para atingir o valor de garantia exigido anualmente, permitindo que as empresas façam um mix conforme sua realidade financeira e de governança corporativa.

Para contratos vigentes em fase de operação, o prazo de 30 de junho de 2023 para apresentação das garantias financeiras é desafiador e as operadoras do mercado precisam analisar o custo-benefício de cada modalidade para definir as opções mais viáveis e competitivas. Veja abaixo cinco modalidades de garantia financeira para descomissionamento.

Garantia corporativa

A garantia corporativa ocorre quando a empresa controladora do grupo garante, com seu patrimônio líquido, o total dos custos de descomissionamento conforme o modelo de aporte progressivo. Neste caso, a garantidora assume a posição de fiadora, assegurando o cumprimento das obrigações relacionadas ao descomissionamento.

A ANP estabeleceu um limite para essa garantia, restringindo o percentual de garantia corporativa a uma parcela do patrimônio líquido da empresa garantidora. Esse percentual é determinado com base no rating da empresa, ou seja, no risco de crédito, conforme avaliado pelas agências classificadoras de risco.

Dependendo do intervalo de rating, a ANP permite que a empresa garanta o custo referente às obrigações de descomissionamento entre 10% e 30% de seu patrimônio líquido.

Fundo de provisionamento

O fundo de provisionamento consiste em uma conta controlada vinculada à garantia dos custos de descomissionamento. Nesse modelo, a empresa deposita o valor da garantia em uma conta e realiza a cessão fiduciária desses recursos para a ANP.

A principal desvantagem do fundo de provisionamento é o custo de capital envolvido. Esse recurso poderia ser utilizado para financiar novos investimentos nos ativos e projetos da empresa, mas, em vez disso, fica congelado para garantir uma atividade que só ocorrerá no final da vida útil do campo de exploração.

Considerando o atual cenário macroeconômico no Brasil e no mundo, com custos de capital e juros elevados, essa modalidade de garantia financeira torna-se particularmente desvantajosa para o negócio.

Penhor de óleo e gás

Nesse caso, a empresa penhora sua produção de óleo e gás em favor da ANP. Entretanto, há limitações para essa modalidade:

– O penhor só será admitido em campos onde a extração do primeiro óleo tenha ocorrido há pelo menos dois anos e a produção se mantenha durante esse período;

– O penhor está limitado a 50% da produção anual total de petróleo e gás da operadora;

– Não é possível penhorar a produção de um poço para garantir seu próprio descomissionamento. O recurso deve vir de outro campo;

– É necessário registrar esse penhor nos registros competentes, o que gera outros custos associados;

– O produto penhorado não pode ser utilizado como garantia em outras linhas de crédito, ficando reservado exclusivamente para as obrigações com a ANP.

Fiança bancária vs. Seguro garantia

Ambos são instrumentos financeiros equivalentes em termos operacionais. No entanto, a fiança bancária tem um custo geralmente três vezes maior.

Isso ocorre porque, na fiança bancária, o banco retém 100% do risco, enquanto o mercado segurador utiliza um modelo de dispersão, com seguradoras cedendo parte do risco em resseguro e retrocessão para garantir a solvência do sistema. Isso resulta em um custo de capital mais baixo para as seguradoras do que para os bancos.

Ainda, ao optar pela fiança bancária, a garantia será contabilizada como dívida. Além de gerar repercussões negativas no balanço, as linhas de crédito que poderiam ser utilizadas para investimentos em projetos ou no ativo ficam comprometidas.

Considerando o atual cenário econômico, com bancos menos propensos a conceder crédito e juros mais altos, a fiança bancária se torna uma opção mais desafiadora. Assim, acreditamos que o seguro garantia tende a se consolidar como principal opção. Alguns pontos que vale destacar:

– É possível usar mais de uma apólice para compor o valor total;

– A apólice deve ser emitida por uma seguradora autorizada a operar no país pela Susep (Superintendência de Seguros Privados), não sendo permitida a emissão de uma apólice no exterior;

– A Susep exige um rating mínimo para aceitar uma garantia de uma determinada seguradora (maior ou igual a A- da S&P, na escala nacional Brasil).

O mercado de seguro garantia é composto em grande parte por seguradoras locais, e muitas delas não possuem rating próprio. Isso reduz o número de operadoras que aptas a emitir garantias de descomissionamento, conforme exigências definidas pela ANP.

Até o fim do ano passado, havia em torno de 6 seguradoras que (i) atendiam a todos os requisitos da ANP para apresentar seguro garantia de descomissionamento, e (ii) tinham apetite e cobertura de resseguro para emissão dessas garantias.

Impasse nas exigências da ANP atrasam negociações de seguro garantia, mas é preciso correr

No início de 2023, entrou em vigor a Circular 662 da Susep, uma nova norma que disciplina o seguro garantia no Brasil e traz algumas inovações. Em resposta a essa circular, a ANP solicitou ajustes adicionais, o que levou a uma nova discussão com o mercado segurador.

Atualmente, as seguradoras estão negociando com a ANP por meio da FenSeg (Federação Nacional de Seguros Gerais) para chegar a um consenso sobre o clausulado a ser adotado para essas garantias.

O impasse vinha atrasando as negociações de seguro garantia para descomissionamento, e a Marsh tem apoiado as discussões. A expectativa é de que um desfecho favorável esteja bastante próximo.

De qualquer maneira, é importante que as operadoras já comecem a fazer as primeiras cotações. Afinal, por se tratar de riscos complexos, a análise das seguradoras demandará um maior volume de informações; além disso, as operadoras, em sua maioria integrantes de grupos multinacionais, também possuem processos de governança que precisam ser observados para aprovar a emissão de garantias de alto valor.

Portanto, os clientes devem estar atentos a esses prazos e buscar assessoria qualificada para definir uma solução competitiva, garantindo um balanço favorável e uma operação em conformidade com a lei, dentro do prazo estabelecido.

* Por Carolina Jardim, diretora de Credit Specialties da Marsh Brasil

Compartilhe no:

Assine nossa newsletter

Você também pode gostar

Feed Apólice

Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

Ads Blocker Detected!!!

We have detected that you are using extensions to block ads. Please support us by disabling these ads blocker.

Powered By
100% Free SEO Tools - Tool Kits PRO