Ultima atualização 02 de dezembro

Furacão Ian leva perdas anuais seguradas por catástrofes naturais a US$ 115 bilhões

De acordo com o Swiss Re Institute, o furacão Ian foi o maior evento causador de perdas do ano até hoje, causando um prejuízo entre US$ 50 e 65 bilhões

O furacão Ian e outros eventos climáticos extremos, como as tempestades de inverno na Europa, inundações na Austrália e África do Sul, bem como tempestades de granizo na França e nos Estados Unidos, resultaram em uma estimativa de US$ 115 bilhões de perdas seguradas por catástrofes naturais neste ano até hoje, de acordo com o Swiss Re Institute. 2022 é o segundo ano consecutivo em que as perdas seguradas estimadas totalizam mais de USD 100 bilhões, continuando a tendência de um aumento médio anual de 5-7% durante a última década. A indústria de re/seguros cobriu aproximadamente 45% dos prejuízos econômicos deste ano, indicando uma grande lacuna de proteção em todo o mundo.

Thierry Léger, Group Chief Underwriting Officer, disse: “2022 tem sido mais um ano de crescente perda por catástrofes naturais, e a demanda por seguros está crescendo à medida que a lacuna de proteção permanece ampla”. Para permitir que o setor de seguros acompanhe as crescentes volatilidade e demanda, será fundamental modelar a evolução das tendências de frequência e severidade”. Os preços precisam refletir o risco efetivo com margens técnicas melhoradas. Nesse ambiente complexo, a Swiss Re está pronta para apoiar os clientes com nosso forte balanço, capacidade de risco e experiência”.

O furacão Ian é a catástrofe natural mais custosa deste ano, com perdas seguradas previamente estimadas em USD 50-65 bilhões. O furacão de categoria 4 atingiu a costa oeste da Flórida no final de setembro com ventos extremos, chuvas torrenciais e tempestades. O Swiss Re Institute estima que seja a segunda maior perda segurada de todos os registros sigma após o furacão Katrina, em 2005. Isto destaca o potencial de ameaça de um único furacão que atingiu uma costa densamente povoada, em um ano de furacões benignos. Além disso, em fevereiro, uma série de tempestades de inverno atingiu a Europa e provocou perdas estimadas em USD 3.7 bilhões, trazendo este risco-chave de volta à agenda do setor de seguros.

Este ano também confirma a importância dos perigos secundários: em fevereiro e março, chuvas torrenciais levaram a inundações generalizadas na Austrália que, atualmente, estão estimadas em USD 4 bilhões, sendo a catástrofe natural mais cara do país. Junto a numerosas tempestades de granizo e trovoadas de pequeno e médio porte nos EUA, a França experimentou a série mais severa de tempestades de granizo já observada, com perdas no mercado segurado chegando a um valor estimado em EUR 5 bilhões, de acordo com o Swiss Re Institute.

Martin Bertogg, head of Catastrophe Perils da Swiss Re, disse: “Os eventos climáticos extremos levaram a altas perdas seguradas em 2022, sustentando um risco em ascensão e desdobramentos em todos os continentes”. Desenvolvimento urbano, acumulação de riqueza em áreas propensas a desastres, inflação e mudanças climáticas são fatores-chave em jogo, tornando as condições climáticas extremas em perdas por catástrofes naturais em constante aumento. Quando o furacão Andrew ocorreu há 30 anos, um prejuízo de USD 20 bilhões nunca havia ocorrido antes – agora houve sete furacões desse tipo apenas nos últimos seis anos. Na Swiss Re, estamos continuamente adaptando nossos modelos de catástrofes naturais para antecipar explicitamente os riscos de tendências, permitindo-nos ficar à frente da curva e fornecer cobertura sustentável a nossos clientes – como com nosso novo modelo para furacões”.

A indústria de seguros está gerenciando o risco de catástrofes naturais, baseando-se em modelos de simulação de última geração para diversos perigos. No entanto, a experiência de perdas de 2022, agravada pelos cinco anos anteriores, enfatiza a necessidade de adotar uma abordagem com maior visão de futuro para todos os perigos. A disponibilidade de modelos e dados precisa ser aprimorada para perigos secundários, como inundações e granizo, particularmente, porque estão em ascensão, mas ainda recebem menos atenção do setor. 

A Swiss Re atualiza continuamente seus modelos proprietários para incorporar novas percepções da ciência, enquanto também acompanha as tendências de macro riscos como urbanização, inflação e mudanças climáticas. Por exemplo, as inundações provocadas por furacões são agora explicitamente modeladas com base em uma visão prospectiva das características pluviométricas, em vez de médias históricas de chuvas de longo prazo. Além disso, foram implantados métodos de previsão otimizados para que a Swiss Re e seus clientes possam quantificar melhor os riscos atuais.

Estimativa total das perdas econômicas e seguradas em 2022 e 2021

Bilhões de dólares (a preços de 2022)20222021Variação anualMédia de 10 anos anteriores
Perdas econômicas  (total) 268303-12%219
Catástrofes naturais 260292-11%207
Causadas pelo homem811-27%12
Perdas seguradas (total)122130-6%90
Catástrofes naturais 115121-5%81
Causadas pelo homem79-24%10

Estas estimativas sigma de perdas por catástrofes referem-se a danos patrimoniais e excluem sinistros relacionadas à Covid-19. As estimativas de perdas neste comunicado à imprensa são preliminares e estão sujeitas a mudanças, já que nem todos os eventos geradores de perdas foram totalmente avaliados ainda.

N.F.
Revista Apólice

Compartilhe no:

Assine nossa newsletter

Você também pode gostar

Feed Apólice

Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

Ads Blocker Detected!!!

We have detected that you are using extensions to block ads. Please support us by disabling these ads blocker.

Powered By
Best Wordpress Adblock Detecting Plugin | CHP Adblock