Ultima atualização 12 de abril

América Latina: urbanizada e vulnerável aos riscos climáticos

A altamente urbanizada, mas pouco protegida, América Latina deverá sofrer consequências econômicas e sociais dos riscos climáticos

america-latina

Com as mudanças climáticas elevando as temperaturas, os países emergentes são normalmente os mais vulneráveis aos desastres climáticos. A altamente urbanizada, mas pouco protegida, América Latina deverá sofrer consequências econômicas e sociais se a região falhar em desenvolver boas soluções de mitigação de riscos.

Martyn Parker, chairman da Swiss Re Global Partnerships no Reino Unido, recentemente chamou atenção para a necessidade dos governos sul-americanos expostos a esses perigos adotarem medidas para minimizar os riscos.

A companhia utilizou a Argentina como um exemplo dos tipos de extremo risco que muitas populações da região estão expostas. Lá, um terço das pessoas vivem em áreas de alto risco de inundações. A gravidade desses desastres naturais representa uma ameaça crescente para estabilidade social, a infraestrutura e também para a economia do país. Há perdas estimadas em cerca de 0,15% do PIB argentino relacionadas a enchentes. O equivalente a US$ 700 milhões por ano, de acordo com a resseguradora.

Os últimos anos trouxeram um aumento significativo de enchentes devastadoras e secas no continente. Em uma região na qual 80% da população está nas cidades, Parker enfatiza que esse é um “forte caso para os negócios”; já que o seguro pode figurar como uma ferramenta nos esforços dos governantes de efetivamente melhorar a resiliência quanto a esses desastres climáticos.

“Os seguros, aliados a um bom gerenciamento de riscos, são ferramentas essenciais para a proteção das cidades. Capazes de auxiliar o governo a fornecer mais oportunidades para os seus cidadãos”, apontou o executivo. Parker complementa ainda que “as estratégias de resiliência não podem, sozinhas, dar conta dos riscos climáticos. Há também a necessidade de diminuir as diferenças sociais, além de aumentar a sustentabilidade relacionada ao meio ambiente e ter um bom desenvolvimento de infraestrutura”, afirma.]

Ações

A companhia aponta ainda exemplos recentes de programas governamentais em outras regiões que funcionaram com bastante êxito. Caso do programa Flood Re, no Reino Unido e a reformulação do National Flood Insurance, nos EUA. “São as maneiras mais efetivas de direcionar os esforços em comum para construir um forte sistema mundial; capaz de paralisar a ligação existente entre pobreza e mudanças climáticas extremas”, opina.

Embora boa parte do continente permaneça altamente exposto a esses riscos climáticos e precisem de soluções imediatas de transferência de riscos, a região, particularmente o México, também é destaque pelo sucesso de suas recentes iniciativas integradas de gestão de riscos de desastres.

O programa Fonden é utilizado como um veículo de financiamento do governo mexicano para estabelecer um fundo de investimento. Ele utiliza as receitas fiscais para responder a esses desastres e reconstruir o que é danificado. A decisão foi reconhecida pelo Banco Mundial como a “vanguarda das iniciativas destinadas ao desenvolvimento de um gerenciamento de riscos integrado e mecanismos de seguros para gerir as ameaças fiscais provenientes desses desastres”.

Fonte: Reinsurance News

A.C.
Revista Apólice

Compartilhe no:

Assine nossa newsletter

Você também pode gostar

Feed Apólice

Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

Ads Blocker Detected!!!

We have detected that you are using extensions to block ads. Please support us by disabling these ads blocker.

Powered By
100% Free SEO Tools - Tool Kits PRO