Ultima atualização 11 de fevereiro

Setor volta a crescer acima de 20% no ano passado

O mercado de previdência aberta voltou a crescer acima de 20% em 2009, superando as previsões traçadas no início do ano, ainda em meio à crise global. A arrecadação dos planos PGBL, VGBL e tradicionais atingiu R$ 38,7 bilhões, alta de 21,8%. O saldo das provisões técnicas, formadas pelos recursos acumulados pelos titulares dos planos, cresceu 24,45%, para R$ 176,6 bilhões.
“Depois de um começo de ano complicado, o setor conseguiu bater todos os recordes, o que mostra que o brasileiro está mais preocupado com a longevidade”, diz o presidente da Mapfre Seguros, Antonio Cássio dos Santos, que encerra o mandato à frente da Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (Fenaprevi). No seu lugar, assume Marco Antonio Rossi, presidente da Bradesco Seguros e Previdência.
Um dos destaques, segundo Santos, foi a conquista de 1,2 milhão de novos planos, elevando o total para 12,2 milhões. A expansão, aponta ele, atesta que a previdência é percebida não só como uma opção de poupança de longo prazo, mas como um instrumento de preservação de capital. Os benefícios fiscais de curto prazo e seus efeitos no longo prazo têm valorizado o produto, mesmo em relação a um fundo tradicional, diz.
Na Brasilprev, dos R$ 6,2 bilhões arrecadados em 2009, R$ 2,7 bilhões foram para planos com tabela regressiva de imposto, o que equivale a 43,5% do total. No ano anterior, esse número ficou em R$ 1,5 bilhão, ou 37,5% da arrecadação total (R$ 4 bilhões). “O investidor mostra que está mais maduro ao perceber as vantagens do modelo regulatório”, diz o presidente da Brasilprev, Tarcísio Godoy. Pela tabela regressiva, quanto maior o prazo, menor o imposto a pagar.
A previdência sofre mais quando a perspectiva de longo prazo é ruim, afirma o vice-presidente de Vida e Previdência da SulAmérica, Renato Russo. Isso porque as pessoas ficam receosas de comprometer recursos por tanto tempo. Quando o ambiente é de estabilidade, como o atual, o investidor fica mais motivado a optar por instrumentos de longo prazo, dadas as vantagens fiscais, diz. Para este ano, sua expectativa é de que o setor repita o crescimento de 20%.
O bom desempenho dos fundos de previdência contribuiu para o crescimento em 2009, acredita Russo. “Os retornos polpudos animaram os investidores.” Nem a queda da bolsa em 2008 atrapalhou. Além de a parcela de renda variável ainda ser pequena na previdência, o investidor em ações conhece o mercado, explica o também vice-presidente da Fenaprevi.
A Brasilprev, além de investir em produtos como o Ciclo de Vida (que ajustam a parcela de ações ao longo do tempo), ampliou seu percentual em crédito privado em busca de mais retorno, conta Godoy. Hoje, dos R$ 27 bilhoes em ativos, R$ 6,2 bilhões estão em renda fixa privada e ações. Em 2007, do total de R$ 16 bilhões, apenas R$ 2 bilhões iam para o segmento.
Russo destaca ainda o movimento de maior segmentação dos planos, por faixa de renda e tipo de investimento. Para ele, essa é uma tendência que vai se acentuar este ano e só contribui para o desenvolvimento do mercado. “A segmentação traz mais clareza para o investidor sobre os planos e características, além de ajustar a oferta à demanda, ao público-alvo.”
Nessa linha, as classes de menor renda ganharam a atenção do setor, até em função do ganho de renda e aumento do emprego. “Essa é uma fatia da população que estamos mirando”, afirma Russo. Os aportes vêm caindo, com planos a partir de R$ 35.

Alessandra Belloto / Valor Econômico

Compartilhe no:

Assine nossa newsletter

Você também pode gostar

Feed Apólice

Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

Ads Blocker Detected!!!

We have detected that you are using extensions to block ads. Please support us by disabling these ads blocker.

Powered By
Best Wordpress Adblock Detecting Plugin | CHP Adblock
pt_BRPortuguês do Brasil