Ultima atualização 09 de março

IRB Brasil RE registra prejuízo líquido de R$ 630,3 milhões em 2022

Resultado de 2022 foi impactado negativamente pela elevada sinistralidade das linhas Agro e Vida

O IRB Brasil RE apurou prejuízo líquido de R$ 630,3 milhões em 2022, comparado aos R$ 682,7 milhões verificados em 2021. Relatório divulgado pela companhia na noite de ontem, 08 de março, mostra que a redução de 7,7% das perdas anuais ocorreu mesmo com o forte impacto negativo de sinistros recentes, decorrentes de eventos climáticos atípicos na linha Agro e da Covid-19 em Vida, que totalizaram cerca de R$ 1,2 bilhão em 2022.

No quarto trimestre do ano passado, a empresa ficou próxima de atingir o ponto de equilíbrio, com prejuízo de R$ 38,8 milhões. Os números do quarto trimestre foram impactados pelo resultado negativo de subscrição, de R$ 152,8 milhões, e pelo resultado financeiro positivo, de R$ 153 milhões. Além da redução na base anual, a comparação com o 2T22 (-R$ 373,3 milhões) e o 3T22 (-R$ 298,7 milhões) mostra melhora significativa do resultado líquido em relação aos trimestres mais afetados em 2022 pelas linhas Agro e Vida.

Mercado com taxas atrativas em 2023 e 82% dos contratos-alvo renovados

“2022 foi desafiador para todo o setor de seguros e resseguros. A administração trabalhou ao longo de todo o ano, aprimorando a carteira, o que permitiu a geração de caixa positivo no último trimestre e o quase atingimento do break-even. Iniciamos 2023 acelerando as mudanças promovidas no ano passado, no que diz respeito à revisão das políticas de subscrição e processos, buscando eficiências e estreitando o relacionamento com os clientes. Em janeiro desse ano, renovamos 82% dos contratos que desejávamos reter, prosseguindo com a estratégia de diluição de riscos. Além disso, as condições de mercado seguem atrativas, com o aumento de taxas em todas as linhas. Olhando para frente, acreditamos que a nossa equipe, que é muito capacitada e experiente, com metas claras e disciplina financeira, levará o IRB de volta à lucratividade recorrente”, afirma o CEO do IRB Brasil RE, Marcos Falcão.

Prêmios emitidos no Brasil crescem e chegam a 68% do portifólio

O volume total de prêmios emitidos em 2022 decresceu 9,9% em relação a 2021, totalizando R$ 7,892 bilhões. A emissão no Brasil totalizou R$ 5,377 bilhões (68% do portifólio), o que representou um incremento de 0,9%, refletindo a estratégia de focar os negócios no mercado local. Já os prêmios emitidos no exterior alcançaram R$ 2,514 bilhões (31% do portifólio), com redução de 26,7% em relação a 2021. A menor contribuição dos prêmios emitidos no exterior em 2022 decorre, principalmente, da estratégia de re-underwriting.

Em 2022, os prêmios retrocedidos apresentaram uma redução de 8,8%, acompanhando a queda nos prêmios emitidos. Assim, o total dos prêmios retidos foi de R$ 4,968 bilhões, com decréscimo de 10,6% em relação ao ano anterior. Já o total de prêmios ganhos nos 12 meses do ano fechou em R$ 5,097 bilhões, redução de 13,6% em relação a 2021, devido aos efeitos da variação das provisões técnicas e da redução nos prêmios emitidos.

“Continuamos ajustando nosso portfólio, como mostra o resultado do quartro trimestre de 2022. O volume total de prêmios emitidos caiu 13,2% em relação ao 4T21, alcançando R$ 1,789 bilhão. Houve leve decréscimo no Brasil (0,5%) por conta da descontinuidade de alguns negócios no segmento Vida. Esse movimento, no entanto, foi compensado pelo incremento dos prêmios na linha Agro, pois os contratos da Safra Verão 2022-23 tiveram reajuste superior a 30% nas taxas, além das reduções nas garantias dos seguros, refletindo os recentes resultados do setor. No exterior, reduzimos em 32,8% a emissão de prêmios, considerando a base anual, em linha com a nossa estratégia”, explica o vice-presidente de Subscrição do IRB, Daniel Castillo.

Índice de sinistralidade cai cerca de 30 p.p. no 4T22

Em 2022, o IRB registrou R$ 5,314 bilhões no volume de sinistro retido, diminuição de 11,2% em relação a 2021. Os principais impactos foram os eventos climáticos atípicos que afetaram a linha Agro e os efeitos da Covid-19 em Vida. O índice de sinistralidade aumentou de 101,5% em 2021 para 104,3% em 2022, embora tenha havido redução nominal no sinistro retido no ano de 2022, mas que não compensou a queda no prêmio ganho. Vale destacar que, no 4T22, o índice de sinistralidade total foi de 93,8%, apresentando uma redução de 29,7 p.p. ante o mesmo trimestre do ano anterior, de 123,5%.

“O índice de sinistralidade reflete os eventos climáticos atípicos que afetaram o segmento Agro doméstico e os impactos da pandemia na linha de Vida. No exercício de 2022, o IRB registrou perdas incrementais de R$ 975,1 milhões com sinistros no Agro e de R$ 228,2 milhões com sinistros relacionados à Covid-19 em Vida. Vale ressaltar que, em 2021, esses sinistros ligados à pandemia totalizaram R$ 383,7 milhões. Ou seja, há tendência de arrefecimento. Se excluirmos ambos os eventos, que totalizam R$ 1,2 bilhão, o resultado da companhia seria positivo”, diz o vice-presidente Técnico e de Operações, Wilson Toneto.

Resultado financeiro e patrimonial cresce 11,7% e despesas caem

O resultado financeiro e patrimonial da empresa foi de R$ 690,1 milhões em 2022, 11,7% maior do que em 2021, decorrente do aumento da taxa Selic, além do efeito não-recorrente de ganhos de ação judiciais, venda do imóvel sede da companhia no Rio de Janeiro e da participação de 20% no CasaShopping.

Após quatro trimestres, a companhia voltou a gerar caixa positivo no 4T22: R$ 220,1 milhões, comparado a um consumo de caixa de R$ 1,182 bilhão no 4T21. “A geração de caixa nesse trimestre deu-se, principalmente, pelo menor volume de pagamento de sinistros e menor repasse de prêmios por cessão de riscos, ou seja, retrocessão”, explica Falcão.

Em 2022, as despesas gerais e administrativas totalizaram R$ 329,7 milhões, redução de 14,9% em relação a 2021, principalmente devido à redução de despesas com pessoal próprio e de despesas judiciais. O índice sobre os prêmios ganhos variou de 6,6% em 2021 para 6,5% em 2022.

Suficiência nos indicadores regulatórios

O IRB deve observar dois indicadores regulatórios, conforme dispõe normativo da Susep (Superintendência de Seguros Privados): Índice de Suficiência de Patrimônio Líquido Ajustado em relação ao Capital Mínimo Requerido e o Índice de Cobertura de Provisões Técnicas. Em 31/12/2022, a companhia apresentou suficiência em ambos.

“Nosso patrimônio líquido ajustado (PLA) correspondeu a 101% do capital mínimo requerido (CMR) na data de 31/12/2022, enquanto no indicador de cobertura de provisões técnicas apresentou suficiência de R$ 332,1 milhões, diz o vice-presidente de Riscos, Conformidade e Jurídico, Carlos Guerra.

A Análise de Desempenho completa está disponível no site de Relações com Investidores da companhia.

N.F.
Revista Apólice

Compartilhe no:

Assine nossa newsletter

Você também pode gostar

Feed Apólice

Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

Ads Blocker Detected!!!

We have detected that you are using extensions to block ads. Please support us by disabling these ads blocker.

Powered By
Best Wordpress Adblock Detecting Plugin | CHP Adblock