Ultima atualização 29 de novembro

8º Expo CIST reforça importância do seguro transporte para setor de Logística

Evento reuniu agentes do mercado de Seguros e Logística para promover a discussão sobre questões referentes aos segmentos
transporte
Alfredo Chaia

EXCLUSIVO – Após dois anos da última edição, o CIST (Clube Internacional de Seguros de Transporte) realizou hoje, 25 de novembro, o 8º Expo CIST no Sheraton São Paulo WTC. O evento reuniu agentes do ecossistema de logística de carga, gestão de riscos, seguros e todos os serviços relacionados ao setor de Logística para para promover a discussão sobre questões referentes ao segmento.

Para Alfredo Chaia, presidente da entidade, o mercado está em constante expansão no Brasil, principalmente após a pandemia, com maior utilização de tecnologias e inovações para uma gestão eficiente. “Esse cenário complexo e diverso no país, torna ainda mais desafiador ao mercado de seguros e gerenciamento de ricos promover seu crescimento. Mas temos inúmeras oportunidades aqui no Brasil para atuarmos de maneira mais efetiva, e nós temos a obrigação de disseminar a cultura do seguro transporte aqui no país”.

Um dois painéis do evento abordou o tema ”Risco Ambiental na Logística de Carga: Desafios de Logística Atendimento de Emergência e Seguros AC”. Participaram dessa plenária Jorge Luiz Nobre Gouveia; gerente do Departamento de Desenvolvimento Estratégico e Institucional da CETESB; Rafael Amadiu, head de Seguros para a América do Sul da BASF; Rogério Bruch, diretor comercial da Fetransporte Brasil; Ivor Moreno, Chief Risk Officer e head Transportador, Ambiental e Inovação da Akad Seguros Brasil; e Dennys Spencer, Chief Operating Officer da Ambipar Response.

Segundo Spencer, o seguro é uma das principais ferramentas mitigadoras de risco, trazendo uma grande proteção para as companhias. Entretanto, é necessário que as empresas elaborem um plano de contingência para mitigar possíveis acidentes ambientais. “Com os critérios ASG em evidência, é preciso que embarcadores e transportadores saibam os riscos que o seu negócio pode oferecer à natureza. Na emergência, não só a estrutura em campo é fundamental, mas uma comunicação fluída é importante para a execução desse planejamento”.

Gouveia ressaltou também a importância dos órgãos reguladores no controle e monitoramento da proteção do meio ambiente na região. “É preciso extinguir a ideia de que quando um órgão ambiental está em um lugar, é para aplicar alguma multa. Muito mais do que exigir que uma empresa pague um valor pelo dano cometido, o importante são as exigências regulatórias para que aquela corporação não cometa o mesmo erro. Isso dá ao mercado um mindset focado na preservação do meio ambiente, e a indústria de seguros vem colaborando para isso”.

Para Moreno, do lado do seguro, falta muita consciência para transportador e embarcador sobre a responsabilidade dos riscos das cargas. “Muitas empresas contratam o seguro transporte achando que a seguradora será totalmente responsável por todo processo de sinistro. Mas a nossa função é entender o que está sendo afetado naquele evento, entendendo o prejuízo ambiental e financeiro para orientar a companhia sobre o quais medidas ela deve adotar”.

Já no painel “Risco Cibernético na Logística: Oportunidades, Riscos e Desafios para Seguro Transporte de Carga” reuniu especialistas para falar como os ataques hackers pode prejudicar uma operação. Flávia Bigi Maya Monteiro, presidente da WistaBrazil; Carlos Andre Barbosa de Almeida, sócio e CTO da IB Cyber Security; Mariana Ortiz, partner de Cyber & Corporate Risk na GRC Solutions; e Cláudio Macedo, fundador da Clamapi Seguros Cibernéticos e cofundador da Blue Cyber Seguros, trouxeram suas visões sobre o tema.

De acordo com o último levantamento da companhia israelense CheckPoint, o segundo trimestre de 2022 apresentou um pico histórico, com um aumento dos ataques cibernéticos globais na ordem de 32% em comparação com o segundo trimestre de 2021. O Brasil apresentou um crescimento acima da média, em torno de 46%. Dados da Trend Micro, empresa global especializada em cibersegurança, apontam que o país ocupa o quarto lugar no mundo em volume de ataques virtuais, atrás somente dos EUA, Rússia e Japão.

Para Marina, muito além perda dos dados, um ataque cibernético pode provocar a paralização dos negócios e gerar problemas relacionados à terceiros. “Infelizmente, aqui no Brasil ainda não há a conscientização necessária sobre a importância da proteção de dados nas empresas. Além disso, há o fator humano como potencializador de um ataque hacker por falta de treinamento dos colaboradores. Para mudarmos isto, é preciso trabalhar na quantificação do risco cibernético de maneira mais direta”.

Segundo Almeida, é importante entender que toda inovação trás uma vulnerabilidade, e quando esse risco é descoberto alguém irá tentar explorá-lo. “Acredito que a cadeia logística tem a necessidade de contar com uma mitigação de riscos, já que o seguro faz a mitigação de danos. Muitas empresas acham que o seu negócio não é alvo desses ataques cibernéticos, principalmente as PME’s. E quando falamos sobre esse tema pensando neste mercado, esse risco é muito mais grave pois os hackers geralmente invadem os sistemas para obterem detalhes da operação e, assim, roubarem a carga. Entendendo a complexidade dos seus dados e investindo em uma apólice de seguro, além da capacitação de funcionários, as companhias estarão mais protegidas”.

Nicole Fraga
Revista Apólice

Compartilhe no:

Assine nossa newsletter

Você também pode gostar

Feed Apólice

Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

Ads Blocker Detected!!!

We have detected that you are using extensions to block ads. Please support us by disabling these ads blocker.

Powered By
100% Free SEO Tools - Tool Kits PRO