Ultima atualização 27 de outubro

Metaverso pode ajudar na criação de novos seguros e melhorar atendimento ao cliente

Segundo um estudo da Capco, seguradoras devem começar a testar o Metaverso. Executivos comentam como a ferramenta pode impactar o setor

EXCLUSIVO – É fato que o Metaverso chegou para mudar a forma das pessoas e empresas interagirem online. Segundo dados da consultoria financeira Grayscale, em 2020, uma comunidade de 5 mil pessoas saltou para 50 mil em pouco mais de um ano. Nesse universo, os usuários podem interagir uns com os outros no trabalho, na escola e na vida social. O objetivo é que saiam do papel de observadores da realidade e façam parte dele. Em 2021, Mark Zuckerberg, fundador de uma das maiores organizações do mundo, o Facebook, anunciou que a rede social passaria a se chamar “Meta”.

Essa nova realidade já está impactando diversos setores, inclusive o mercado de seguros. De acordo com o estudo “Metaverso: Além do Ciclo da Moda”, realizado pela consultoria Capco, bancos e seguradoras devem começar a testar o Metaverso, que não pode mais ser ignorado. A pesquisa aponta que na plataforma as empresas poderão tirar dúvidas de clientes sobre produtos e criar uma “praça” em que consumidores discutam opções de investimentos e produtos com assessores ou avatares baseados em Inteligência Artificial, conversando e ajudando na avaliação das opções disponíveis.

Bruno Costa

Segundo o Gartner Group, estudos apontam que o Metaverso se consolidará até 2026 como um ambiente de geração de negócios e 30% das organizações terão produtos e serviços preparados para essa nova realidade. “Analisando o cenário atual e projetando para o futuro, o nível de imersão das pessoas tende a aumentar e o setor de seguros terá que se adaptar para essa nova forma de interação com seus consumidores”, afirma Bruno Costa, superintendente de Relacionamento e Experiência do Cliente do Grupo MAG.

Focando no mercado de seguros, o executivo acredita que a ferramenta poderá ocasionar um aumento substancial de sinistros relacionados à realidade virtual, gerando uma maior demanda para as seguradoras, assim como a segurança de dados será expandida e o seguro de riscos cibernéticos ganhará impulso. “Este novo universo dos ‘metaseguros’ envolve proteção de dados pessoais e corporativos, proteção de identidade, propriedades digitais e reputação da marca. Além disso, já estão surgindo os primeiros seguros contra acidentes domésticos causados por tecnologia imersiva e se discute seguros para NFT’s”. Costa ainda diz que isso irá gerar a criação de novos produtos e a conscientização para as pessoas protegerem seus bens digitais.

Fabio Dragone, diretor de Inovação, CRM e Digital do Grupo Bradesco Seguros, afirma que a empresa percebeu como pontos de atenção a necessidade de atualização tecnológica, a observação ainda mais cuidadosa em relação à privacidade e segurança de dados, assim como a capacidade do setor de proporcionar experiências fluidas e relevantes aos usuários em um ambiente virtualizado com o uso intensivo de analytics e UX. “Do ponto de vista do relacionamento com clientes e a experiência do consumidor, o Metaverso, quando se tornar convencional e acessível a todos, poderá contribuir para melhores experiências do cliente a partir de trocas interativas e personalizadas e, assim, atrair mais pessoas”.

Para Dragone, apesar de todo avanço tecnológico, manter a humanização dos processos é um grande diferencial, o que só é possível pelo trabalho desenvolvido pelos corretores. “A grande capacidade de imersão que o Metaverso proporciona irá beneficiar corretores e centrais de relacionamento que buscam novas formas de se relacionar com segurados, beneficiários e parceiros. Já está mais que provado que esses profissionais são o que mantém o nosso mercado vivo, pois somente eles sabem reconhecer as verdadeiras necessidades dos clientes e oferecem o produto adequado para cada consumidor”.

O estudo da Capco também apontou que além das novas possibilidades de interação e de um relacionamento mais próximo entre as instituições e os clientes, o Metaverso permitirá também a criação de produtos. Costa reforça que a ferramenta será um fator exponencial na quantidade de dados gerados, transações e informações comportamentais de cada um. “Sendo assim, poderemos criar modelos preditivos e ser mais assertivos, tornando possível personalizar cada vez mais apólices, preços e tendo um efeito imediato na experiência dos clientes na ponta e maximizando, em muito, a rentabilidade das seguradoras”.

Segundo o executivo, a MAG começou a estudar sobre o Metaverso em 2021 e neste ano formou uma frente junto com a PUC e o IRB para trabalhar estratégias focadas no potencial desse sistema. “Estamos com projetos em andamento para testarmos nossa entrada nesse universo, buscando de forma estratégica, melhorar nossa experiência com os clientes e buscar expandir nosso mercado”. O superintendente da companhia acredita que empresas que já investem em tecnologia e possuem um ecossistema mais desenvolvido para suportar integrações via API’s, trabalhando com blockchain e outras ferramentas, já largaram na frente dos seus concorrentes de forma natural.

Já na Bradesco Seguros, Dragone diz que diversas frentes de atuação da seguradora que miram em tecnologia e inovação, além de um grupo de trabalho focado especificamente do Metaverso, estão atentas para questões sobre o tema. “Acreditamos que o setor de seguros tem muito a se beneficiar com o novo universo tecnológico. O diferencial não será em usar ou não o Metaverso, mas sim como ele é usado e aplicado para aumentar as possibilidades de melhorar processos existentes, criar novos modelos de negócios e aprimorar a experiência do cliente”.

Costa finaliza dizendo que diferente de 2003, quando surgiu o Second Life, hoje as organizações têm mais poder computacional e tecnologias que antes eram embrionárias, o que fará diferença na experiência proposta para todos. “O Metaverso será a integração entre várias camadas dessa fragmentação que envolve: experiência, computação espacial, infraestrutura e outros. Se pensarmos nos avanços tecnológicos significativos nos próximos anos em Inteligência Artificial, 3D e Hardwares (como óculos VR, smartphones e etc), além da conectividade, com a chegada do 5G, conseguimos entender que tudo que foi criado, pensado e projetado nos trouxe até o momento atual”.

Nicole Fraga
Revista Apólice

Compartilhe no:

Assine nossa newsletter

Você também pode gostar

Feed Apólice

Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

Ads Blocker Detected!!!

We have detected that you are using extensions to block ads. Please support us by disabling these ads blocker.