Ultima atualização 20 de junho

AIG lança seguro contra atos terroristas

Com a aproximação dos grandes eventos esportivos que ocorrerão no Brasil, o país ganhou visibilidade e se tornou um possível alvo de terroristas

A AIG lançou, nesta quarta-feira (19/06), o seguro de property contra atos terroristas. O produto se destina a qualquer empresa que queira preservar o patrimônio. Entre elas, aeroportos, museus, hotéis, e grandes ícones turísticos  são os “alvos mais comuns” desse tipo de ato. Podem ser incluídas na apólice, ainda, coberturas para tumultos e vandalismo, além de lucros cessantes.

“A maioria dos seguros de property exclui ato terrorista. Por isso enxergamos a oportunidade de lançar uma apólice especifica”, disse Frank Moraes (foto), gerente de property da seguradora.

A AIG comercializa este seguro nos Estados Unidos desde o atentado de 11 de setembro, ocasião que abriu, ainda mais, os olhos do mundo para o terrorismo.

No Brasil, a seguradora disponibiliza capacidade de cobertura automática de R$ 200 milhões, com possibilidade de expansão para até R$ 500 milhões. “No mercado global, hoje em dia a capacidade está na casa de 1,5 bilhão de dólares por risco. É uma capacidade grande”, ressaltou Keith Martin, assessor de riscos políticos.

Nos próximos anos, o Brasil será palco de diversos grandes eventos internacionais, como a Copa do Mundo e as Olimpíadas. Além disso, cidadãos brasileiros também estão se destacando no cenário econômico mundial – como o embaixador Roberto Azevedo, que será o primeiro latino-americano a dirigir a Organização Mundial do Comércio (OMC). “Este cenário torna o Brasil um possível alvo para atos terroristas”, alertou Reginaldo Nasser, pesquisador na área de Política Internacional com ênfase em Conflitos Internacionais, Segurança Internacional e Terrorismo.

A expectativa da seguradora é gerar por volta de R$ 500 mil em receitas até o final do ano com esse produto. A demanda mais forte deve vir das grandes capitais, já que nelas estão concentradas a maior parte dos “locais-alvo” mais comuns, como museus, embaixadas, hotéis, escolas, restaurantes e órgãos do governo, entre outros. As empresas que estão ao redor desses locais também podem contratar o seguro, uma vez que se houver um ato terrorista próximo, a empresa pode sofrer consequências.

No Brasil, hoje, não há a definição – por lei – do que é considerado ato de terrorismo. Por isso, a seguradora considerará apenas os atos notórios e de conhecimento público. “A possibilidade de terrorismo no Brasil existe, mas não sabemos qual é a probabilidade. A visibilidade do país aumentou muito”, analisou Nasser. O especialista explicou o que é o terrorismo. Segundo ele, “é o uso da força e da violência através de ataques a pessoas ou instalações com propósitos políticos, religiosos ou ideológicos, de modo a disseminar medo, terror e danos materiais e psicológicos. Provoca sensação de insegurança em massa”.

Apesar de não existirem grupos terroristas no Brasil, o professor comentou que grupos criminosos podem praticar atos terroristas. Como exemplo, os ataques organizados pelo PCC em maio de 2006, em São Paulo, que causaram pânico na população e esvaziou as ruas de várias cidades paulistas. Na ocasião, delegacias, bases e automóveis das polícias militar e civis sofreram ataques. Escolas, unidades hospitalares, comércio, transporte público pararam de funcionar. “O terror usa da violência física, mas é mais do que isso. Necessita de publicidade e joga com a mente dos outros”, observou Nasser.

Jamille Niero / Revista Apólice

 

Compartilhe no:

Assine nossa newsletter

Você também pode gostar

Feed Apólice

Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

Ads Blocker Detected!!!

We have detected that you are using extensions to block ads. Please support us by disabling these ads blocker.

Powered By
100% Free SEO Tools - Tool Kits PRO
pt_BRPortuguês do Brasil