Ultima atualização 02 de maio

No colo do concorrente

Shirtes Pereira*

 

É difícil, mas não impossível você já ter ouvido falar que alguma empresa tenha “jogado” um importante parceiro de negócios no colo do concorrente. Por mais inusitado que possa parecer As Seguradoras vem fazendo isso muito frequentemente.

Parece meio, para não dizer inteiro, absurdo dizer este tipo de coisa, já que ninguém em seu estado normal de consciência faria ou permitiria este tipo de “coisa”, que algo ou alguém importante na sua vida ou relação comercial fosse sequer avizinhar um concorrente. O fato é que esta situação vem ocorrendo com muita frequência, e nada tem sido feito para evitar ou diminuir o impacto que está causando nas relações da Indústria do Seguro com o Canal de Distribuição Corretores de Seguros.

A resposta para este fato decorre de um sistema que ainda não está devidamente alinhado: O Corretor de Seguros tem foco no mercado, nas demandas originadas pelo relacionamento com os seus Clientes e as Seguradoras no Negócio mais rentável que Ela escolheu para Operar.

Esta impessoalidade de propósitos “produto e serviço” do Canal Corretores de Seguro e a Indústria acaba gerando este “buraco” de natureza e reflexos empresariais de baixa qualidade. O resultado é o pior possível, gerando consequências de toda ordem. Na relação objetiva, problemas no quesito produtividade pela infidelidade, no Mercado de Seguros como um todo a distorção de imagem e credibilidade e no Setor o baixo crescimento e pouca diversidade.

O normal seria caminharmos para racionalidade dos negócios, que requereria mais interatividade, Aceitação, Oferta equilibrada e Produtos com parâmetros de Padronização. E é o que não vem ocorrendo, o quadro que se apresenta é o de “peregrinação” de procurar ou ser orientado a procurar um concorrente.

Sabemos que o processo do desenvolvimento histórico atual, sintetizado pela abertura do resseguro, contribuiu um pouco mais para o aumento destes casos, que já ocorria anteriormente, e é claro que não podemos ficar apenas a lamentar ou justificar consequências irracionais diante de tantas conquistas.

Neste ponto, acredito que as Seguradoras estão fazendo de tudo para diminuir esta “valsa” com troca de parceiro, e que outras opiniões e situações podem esclarecer ou justificar os fatos.

Sempre foi assunto de “roda” de seguradores e corretores, esta tal “infidelidade” em nosso setor. Hoje acreditamos que isto se tornou tão normal, que estamos vestindo a “carapuça” e não estamos nem aí para suas consequências. Um grande erro!!! Esta tal infidelidade esta ligada a outros “distúrbios” que nos afetam como um todo. O Corretor de Seguros pelo injustificável diante do seu Cliente e as Seguradoras pela imagem negativa que ostenta.

Se este “no colo do concorrente” não existisse realmente, não existiria também tanta queixa de um lado e de outro. Muitos Seguradores ainda dirão, o Culpado desta história é o Corretor de Seguros, que não é fiel, Será?

Distribuir significa disseminar algo, entregar, espalhar, como fazê-lo com tamanha falta de padronização, e em contrapartida, tanta diversificação em um mesmo Produto. Como tratar ou argumentar razões que levam o Mercado Segurador a diferenciar o risco comum, quer pela Seleção de Risco, agora o Resseguro, e ainda, formas diferenciadas no relacionamento com o próprio Corretor de Seguros.

Mas afinal, as Seguradoras jogam ou não jogam os Corretores de Seguros no colo uma das outras?

Eu diria que joga e você?

Quantos cálculos de seguro automóvel nós precisamos fazer em busca de diferenciais de preço e benefícios. Quantos programas de cálculos de Seguradoras nós precisamos ter para apresentar um orçamento e/ou consulta-las na aceitação de alguns riscos. Infelizmente não há clima nem espaço e tempo para nos preocuparmos com a “fidelidade”, aliás, a Lição atual que Seguradoras e Corretores estão passando ao Consumidor é de que Ele deve aceitar esta tal infidelidade.

Em alguns ramos de seguro, ultimamente, precisamos sair á “caça” porque nosso Primeiro, Segundo ou Terceiro Maior Parceiro de Negócio não aceita determinado risco e/ou o precifica muito acima do valor de um congênere.

Agora quando se tem uma Apólice de Seguro há mais de 05(cinco) anos numa mesma seguradora e de repente Ela diz que não vai renovar, fica impossível contra argumentar. Se isso não é nos jogar no colo do concorrente eu não sei o que é.

 

*Shirtes Pereira é profissional empresário corretor de seguros, coordenador comissão promeseg + perfil do SINCOR-SP, Professor da FUNENSEG, diretor de marketing do RIOPRETO E.C, Mentor do CORRERP – Clube de Corretores de Seguros da Região de S.J.R. Preto.

Compartilhe no:

Assine nossa newsletter

Você também pode gostar

Feed Apólice