Ultima atualização 16 de maio

IRB Brasil RE registra lucro líquido de R$ 8,6 milhões no 1º TRI

Em linha com a estratégia de subscrição, o prêmio emitido total caiu 21% ante o mesmo período de 2022, alcançando R$ 1,6 bilhão
wiz
(FOTO: Marcos Santos/USP Imagens

O IRB Brasil RE apurou lucro líquido de R$ 8,6 milhões no primeiro trimestre de 2023. Os números divulgados ontem, 15 de maio , apontam evolução contínua dos resultados do ressegurador, com retorno à lucratividade após três trimestres consecutivos de prejuízos líquidos e sete trimestres consecutivos de prejuízos de subscrição. O resultado positivo inclui o acordo de R$ 25,4 milhões com o United States Justice Department (DoJ), que pôs fim à possibilidade de processo pela veiculação de informação inverídica nos EUA.

“Iniciamos 2023 fazendo o nosso dever de casa, acelerando as mudanças internas, buscando eficiências e estreitando o relacionamento com os nossos clientes. O primeiro trimestre mostra a direção em que a companhia está seguindo, com retorno à lucratividade. Até o fim de junho, nosso processo de turnaround estará concluído. Com estrutura mais ágil e eficiente, a empresa seguirá com foco na disciplina financeira, excelência na subscrição e agilidade na execução, com metas simples e claras”, comenta Marcos Falcão, CEO da companhia.

Desconsiderando o efeito não-recorrente do acordo com as autoridades americanas, o lucro líquido normalizado no primeiro trimestre desse ano foi de R$ 34 milhões. No primeiro trimestre de 2022, o IRB Brasil RE reportou lucro líquido de R$ 80,5 milhões, com impactos não-recorrentes de ganhos de ações judiciais e operação de LPT (Loss Portfolio Transfer). O resultado líquido normalizado, na ocasião, foi negativo em R$ 54,5 milhões.

Resultado de subscrição positivo

Após sete trimestres, o resultado de subscrição da empresa foi positivo em R$ 3,7 milhões no primeiro trimestre de 2023, ante prejuízo de R$ 96,4 milhões no mesmo período no ano passado. Vale destacar que, neste trimestre, houve reversão do resultado de subscrição no Brasil, que passou de R$ 113 milhões negativos no primeiro trimestre de 2022 para R$ 15,8 milhões positivos no primeiro trimestre de 2023. No exterior, o movimento foi inverso, com o resultado de subscrição apresentando perda de R$ 12,1 milhões, comparada a um resultado positivo de R$ 16,5 milhões no primeiro trimestre do ano passado.

“O resultado apresentado reflete os ajustes realizados no portfólio da companhia, e são consequência do direcionamento estratégico de diluição de riscos e redução das exposições, visando uma carteira de qualidade e com rentabilidade. Seguimos com a meta de alcançar 80% do nosso portfólio no Brasil, reforçando nossos diferenciais competitivos, e completando o portfólio com 15% em prêmios emitidos na América Latina e 5% em outros mercados. Nos três primeiros meses do ano, renovamos 88% dos contratos que desejávamos reter e reforçamos a proximidade com os nossos clientes”, afirma Daniel Castillo, vice-presidente de Subscrição do IRB Brasil RE.

Em linha com a estratégia de subscrição, o prêmio emitido total caiu 21% no primeiro trimestre desse ano ante o mesmo período de 2022, alcançando R$ 1,6 bilhão. Nos três primeiros meses de 2023, a participação de negócios firmados no Brasil teve alta na base anual, alcançando 64% do portfólio. Em relação ao volume, houve recuo de 19% na comparação com o primeiro trimestre de 2022, para R$ 1 bilhão. O prêmio emitido no exterior, que representou 36% do portifólio, totalizou R$ 577 milhões no primeiro trimestre de 2023, o que representou queda de 25% em relação ao mesmo período em 2022.

Índice de sinistralidade fecha em 77,3%

No primeiro trimestre de 2023, o IRB Brasil RE registrou R$ 933 milhões em sinistro retido total, em linha com o verificado no mesmo período no ano passado. O índice de sinistralidade total nos três primeiros meses do ano foi de 77,3%, apresentando uma redução de 3,7 p.p. ante o mesmo trimestre do ano anterior, com 81%.

“Nesse trimestre, o índice poderia ser ainda melhor, não fosse o repique de sinistros registrados pelo segmento de vida no exterior, decorrentes de contratos não renovados, e pelo ramo de aviação, tanto nos negócios domésticos como nos provenientes do exterior. Importante registrar que não tivemos efeitos relevantes no segmento do agro e pouquíssimos sinistros referentes à Covid-19, em vida”, diz Wilson Toneto, vice-presidente Técnico e de Operações do IRB Brasil RE.

Em linha com o esforço de negociação de comissões e preços, a companhia melhorou o índice combinado, que considera sinistralidade, comissionamento e demais custos, em 7,7 pontos percentuais (p.p.), passando de 118,6% no primeiro trimestre de 2022 para 110,9% no primeiro trimestre desse ano.

Resultado financeiro positivo em R$ 146 milhões

O resultado financeiro e patrimonial do IRB Brasil RE no 1T23 foi positivo em R$ 146 milhões, apresentando um decréscimo de 44% em relação ao mesmo período de 2022, principalmente devido ao efeito não-recorrente de ganhos provenientes de ação judiciais (R$ 150,2 milhões) no primeiro trimestre do ano passado. Desconsiderado esse efeito, haveria um incremento de 35% nos três primeiros meses de 2023.

O caixa consumido nos três primeiros meses do ano totalizou R$ 411,2 milhões, comparado a um consumo de caixa de R$ 288,1 milhões no primeiro trimestre de 2022. O consumo de caixa nesse trimestre deu-se, principalmente, pelo maior volume de pagamento de sinistros e maior repasse de prêmios por cessão de riscos, a retrocessão.

As despesas gerais e administrativas, no primeiro trimestre de 2023, totalizaram R$ 88 milhões, com incremento de 25% em relação ao mesmo período no ano passado. Se excluir o acordo com as autoridades americanas, que impactou a despesa administrativa em R$ 25,4 milhões, haveria uma redução na despesa de 11%. O índice de despesa administrativa, excluindo este acordo, seria de 5,2% no primeiro trimestre de 2023, em linha com o índice de 5,1% no primeiro trimestre de 2022.

Suficiência nos indicadores regulatórios

O IRB Brasil RE deve observar dois indicadores regulatórios, conforme dispõe normativo da Susep (Superintendência de Seguros Privados): Índice de Suficiência de Patrimônio Líquido Ajustado em relação ao Capital Mínimo Requerido e o Índice de Cobertura de Provisões Técnicas. Em 31/03/2023, a companhia apresentou suficiência em ambos os índices.

“Nosso patrimônio líquido ajustado (PLA) correspondeu a 105% do capital mínimo requerido (CMR) em 31/03/2023, enquanto o indicador de cobertura de provisões técnicas apresentou suficiência de R$ 239 milhões. Este último indicador era de R$ 17 milhões em março de 2022. Vale acrescentar que a solvência total, em 31/03/2023, se apresentou em patamares compatíveis com grandes players internacionais: 260%”, informa Thais Ricarte Peters, diretora de Controles Internos, Riscos e Conformidade da empresa.

A Análise de Desempenho completa está disponível no link.

N.F.
Revista Apólice

Compartilhe no:

Assine nossa newsletter

Você também pode gostar

Feed Apólice

Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

Ads Blocker Detected!!!

We have detected that you are using extensions to block ads. Please support us by disabling these ads blocker.

Powered By
Best Wordpress Adblock Detecting Plugin | CHP Adblock