Ultima atualização 04 de março

22º Congresso: Corretores confiam na Susep para ressignificar a profissão

Os palestrantes na abertura do 22º Congresso ressaltaram o caráter de retomada do evento, criticaram a atuação da Susep e apostaram na política de classe dos corretores de seguros

EXCLUSIVO – A abertura do 22º Congresso Brasileiro dos Corretores de Seguros foi marcada pelos protocolos sanitários, e também pela quebra deles. Depois de dois anos sem encontros presenciais, o Congresso foi um momento catártico para os profissionais que atuam no setor. Foi uma troca de gentilezas entre o anfitrião, Armando Vergilio, o deputado federal Lucas Vergilio e o superintendente da Susep, Alexandre Camillo. Este último é a esperança dos profissionais para a mudança de algumas ações da sua antecessora, Solange Vieira, que o mercado considera “excrescências”.

Armando Vergilio, presidente da Fenacor, disse que este é o evento do recomeço e da fraternidade. “Estamos começando uma nova era, com novas expectativas. São três eventos em um: técnico, feira de negócios e cultural, promovido uma categoria que pode se orgulhar de seu desempenho na mais grave crise sanitária da humanidade. Segundo Vergilio, várias pesquisas mostram que a sociedade anseia pelo atendimento dos corretores de seguros, porque sabem que eles são capazes de garantir a continuidade das vidas e negócios. O mercado cresceu 12% em 2021.

Há que se registrar que este crescimento poderia ser muito maior se o mercado não tivesse perdido tempo com normas descabidas e sem propósitos impostas pelo regulador, que tentou destruir a classe

Armando Vergílio, presidente da Fenacor

“Por nossa atuação ninguém ficou sem atendimento ou sem proteção por conta da pandemia”, ressaltou o presidente da Fenacor.

Vergilio apontou que é preciso rever a criação das SISS (Sociedade Iniciadora de Serviços de Seguros) , que são um novo operador do sistema e que está fora do Sistema Nacional de Seguros. “Está claro que esta figura é ilegal e não pode existir, e deve extinguida seja pelo Congresso ou pela própria Susep. Se for necessário, vamos buscar na justiça o fim desta excrescência”.

Vergilio afirmou que deseja estimular o debate, porque a troca de experiência facilita o enfrentamento dos problemas da sociedade neste novo ciclo. “Temos que ter determinação e audácia para mudar. Pessoas com medo não mudam nada”, ressaltou.

O mantra que deve pautar a atuação é: eu cuido, em amparo, eu protejo. Sou o melhor e mais eficiente meio de distribuição de seguros.

Armando Vergilio

“Ver a plateia e abraçar as pessoas é uma emoção inigualável. Depois de 23 anos o Congresso voltou a São Paulo, ao interior, uma força pujante. “É um sinal de harmonia, parceria e  confiança da Fenacor com os paulistas”, disse o presidente do Sincor/SP, Boris Ber.

“Temos muito a comemorar, principalmente a resiliência e a entrega aos segurados. Não existe no mundo nenhum pós venda melhor do que o nosso”, ponderou Boris em seu discurso. “Os desafios continuam e o novo mundo, a nova política mundial, vai servir para que nós, corretores de seguros, saibamos como caminhar e para quem dar as mãos. Não faltará esforço nem resiliência para que vençamos o que vier pela frente”, completou Ber.

Joaquim Mendanha, presidente da Ibracor, ex superintendente da Susep, disse que o mais importante é o que aprendemos neste período.

Marcio Coriolano, presidente da CNseg, lembrou que o tempo passa rápido e que já vislumbramos os desafios do país e do mercado de seguros neste ano. “Nestes dois últimos anos tivemos avanços, que devem ser lembrados em fóruns de discussão de corretores. A união de corretores e seguradores foi digna de nota, assim como a nossa rápida resposta. Somo um setor solidário, moderno e progressistas, com tecnologia que deve ser utilizada para ajudar o segurado a fazer as melhores escolhas. Temos que conservar o que é justo e mudar o que for preciso”, destacou.

O crescimento nominal em 2021 foi de 1,3%. Coriolano declarou que este é um setor dinâmico e moderno e que pode incorporar mais gente na proteção do seguro. “O que nos anima é o que vem pela frente, como o novo superintendente da Susep, Alexandre Camillo. Estaremos todos a serviço do propósito construído com os corretores há décadas, de um setor que deve estar no centro das políticas públicas e privadas. Somos os braços da proteção econômica da cidadania e desoneramos o estado brasileiro para que ele faça aquilo que precisa fazer”, finalizou Coriolano.

Alexandre Camillo, superintendente da Susep e ex-presidente do Sincor-SP, disse que sua presença é um espelho do evento, que enaltece a importância dos corretores de seguros. “A interlocução é uma das minhas virtudes e sei que não sou o dono da razão. O diálogo está restabelecido. Neste exercício, coloco outro à disposição a experiência de 41 anos no mercado de seguros, como já aconteceu nas figuras de Armando Virgilio e de Joaquim Mendanha”, reforçou.

O consumidor é o elo que deve ser destacado e o corretor tem o privilégio de representá-lo. Se vivemos um momento de conquistas é porque existe uma movimentação política. Ao entender os anseios dos corretores de seguros, Lucas Vergilio atuou para que Alexandre Camillo assumisse a Susep.

Há uma equação entre o que se deseja, o que é possível e o que é necessário. Não faltará esforço para alinharmos estas etapas, conforme já dito anteriormente. O superintendente pontuou: “teremos que ter muito foco e produtividade para atingir os objetivos. Este momento se traduz em uma oportunidade única , porque diferente do que vivemos no sofrimento da pós-pandemia, temos que enfrentar um conflito armado entre duas nações, em nosso setor vivemos o ambiente mais pacificado dos últimos anos”, finalizou, demonstrando, como outros palestrantes, preocupação com a guerra da Ucrânia.

Dario Saad, prefeito de Campinas, deu as boas-vindas a Campinas e agradeceu os organizadores. “Este é o primeiro grande evento depois da pandemia. Como todas as cidades, Campinas sofreu muito, mas tem uma boa perspectiva no futuro próximo para controle da doença”.

Lucas Vergilio, deputado federal e presidente da Escola de Negócios e Seguros, criticou a ex superitendente da Susep, Solange Vieira, por falta de conhecimento e pelo desrespeito ao mercado de seguros. Volta ao regulador uma pessoa comprometida com o mercado de seguros. “Sabemos que teremos um ambiente regulatório mais calmo e previsível. São vocês que nos motivam e nos dão forças para superarmos nossas divergências”, reforçou o deputado federal.

Kelly Lubiato
Revista Apólice

Compartilhe no:

Assine nossa newsletter

Você também pode gostar

Feed Apólice

Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

Ads Blocker Detected!!!

We have detected that you are using extensions to block ads. Please support us by disabling these ads blocker.