Ultima atualização 09 de agosto

Emissão de DDR para embarcadores prejudica seguradoras

5º Seminário Multidisciplinar da entidade debateu sobre o projeto de lei que estabelece as maneiras como transportadores podem ser contratados

O 5º Seminário Multidisciplinar do Sincor-SP debateu sobre o PL 4860/16, que estabelece as maneiras como transportadores podem ser contratados. Além disso, foram discutidos assuntos como a Dispensa do Direito de Regresso (DDR) e a estipulação no seguro de RCTR-C.

De acordo com o coordenador da Comissão de Transporte e Cascos Marítimos do Sindicato, Ricardo Labatut, que explicou sobre o conceito de DDR, a finalidade técnica da Dispensa sempre existiu no sentido de viabilizar uma operação na qual fosse encontrada alguma dificuldade de colocação de risco por parte de quem transporta. “Hoje, o transportador pede ao embarcador que negocie com sua seguradora do RCTR-C, para que ela assuma o risco e não se sub-rogue (direito da seguradora de usar ou não o DDR) contra ele mesmo”. Ele explica que antes  eram os transportadores que solicitavam a emissão da DDR. “Isso gerou um problema, pois as seguradoras cobravam pela emissão, agora, passam a emiti-la sem custo”, analisou.

Com a DDR na mão, o embarcador passou a exigir que o transportador aceite a Dispensa com o intuito de suspender o pagamento do frete – ad-valorem (ônus tributário sobre o valor da mercadoria e não sobre seu peso, quantidade ou volume). “O ad-valorem é essencial ao cálculo do frete de qualquer modal. É um forma de criar economia no processo. Quem sai perdendo é a seguradora. É importante dizer que esse componente não tem uma finalidade apenas de seguro, mas de cobrir outros riscos assumidos pelo transportador”, continua.

Ele diz que o compliance das seguradoras deve ser melhor trabalhado, pois não há uma atenção grande por parte de quem autoriza a emissão. “Como o mercado ainda tem certo lucro, as seguradoras não apresentam tanta preocupação quanto deveriam para esse tipo de produto. Qualquer um pode abrir mão de uma sub-rogação e, muitas vezes, o acionista nem fica sabendo”, continua Labatut. “O mercado de seguros precisa questionar quem ganha com a emissão das DDR’s, além do próprio embarcador”.

Já Thiago Fecher, também integrante da Comissão, destacou o aspecto legal do RCTR-C. “O seguro deve ser obrigatório para que se mantenha o equilíbrio econômico da operação de transportes”. Ele explicou que o modal rodoviário tem uma importância grande para que a economia do País gire, e lembrou até da recente greve dos caminhoneiros.

Para ele, a importância do produto se dá também pela função exercida por quem faz o transporte. “O transportador é o último responsável pela mercadoria. Se o sinistro acontecer, haverá a desestabilização econômica, dependo do valor da carga”. Ele ainda salientou o excesso de burocracia existente no mercado. “A averbação é um processo lento e problemático. Por exemplo, seguradoras chegam a esperar um mês pelo recebimento dos prêmios”, opinou.

Indo na mesma linha de Labatut, Fecher acredita que a apólice por estipulação é apenas uma ferramenta de redução de custo por parte do embarcador. “Isso não agrega nada ao nosso mercado. As apólices principais ficam esvaziadas de prêmio e aumentam o risco de sinistro”. Ele diz que o faturamento dos corretores caiu. “Não há incentivo para a venda desse tipo de produto no mercado. A Susep precisa permitir a contratação do RCTR-C apenas por parte do transportador, proibindo a estipulação”, termina.

Maike Silva
Revista Apólice

Compartilhe no:

Assine nossa newsletter

Você também pode gostar

Feed Apólice

Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

Ads Blocker Detected!!!

We have detected that you are using extensions to block ads. Please support us by disabling these ads blocker.