Ultima atualização 25 de abril

Dengue: 5º principal motivo que afasta as pessoas do trabalho

Doença pode aumentar em até 200% o custo per capita do colaborador afetado

Dengue já é o 5º principal motivo que afasta as pessoas do trabalho

A Gesto Saúde e Tecnologia realizou um levantamento em seu banco que soma dois milhões de vidas e concluiu que a epidemia de dengue em 2015 afetou a produtividade nos negócios. Aproximadamente 2,5% dos colaboradores de grandes empresas ficaram afastados por conta da doença.

Os dados revelam que as pessoas infectadas ficaram fora do trabalho por um período médio de cinco a sete dias, podendo atingir um mês nos casos mais extremos. Ao cruzar as informações e somar todos os atestados, é como se a cada 50 colaboradores com dengue, um funcionário não tivesse trabalhado durante todo o ano útil. Por exemplo, uma empresa com 11 mil funcionários pode ter tido, em média, 2,2% da sua população com dengue. O impacto disso pode ter sido o equivalente a cinco colaboradores ficarem o ano inteiro sem trabalhar.

O cenário é pior do que o de 2014, quando apenas 1% dos colaboradores das grandes companhias se afastou por conta da doença, somando um período de afastamento de 65 dias – o equivalente a um indivíduo três meses sem trabalhar, considerando os dias úteis.

Ainda dentro do comparativo, a companhia mapeou que a dengue, em 2014, ocupava o 42º lugar entre as doenças que mais afastam os colaboradores do trabalho. Já em 2015 ela subiu 36 posições e passou a ser o quinto principal motivo.

Outra conclusão está ligada ao aumento do custo do benefício de saúde. “A dengue gerou, no ano passado, uma elevação no custo per capita da saúde. O gasto com um colaborador infectado chegou a ser 200% maior do que o valor de um colaborador de uso médio. Isso acontece por uma série de motivos que incluem o fato de o tratamento da doença ser feito pelos prontos socorros e atendimentos emergenciais – que possuem um valor elevado de atendimento quando comparado à consultas eletivas – e o aumento na demanda de exames”, explica Francine Leite, gerente em inteligência em saúde da empresa.

Apesar de esta porcentagem não ser o aumento da saúde como um todo para a empresa, seu impacto na composição final é alto. O benefício de saúde é o segundo maior custo dentro de uma grande companhia, ficando atrás apenas da folha de pagamento. De acordo com dados do Departamento Nacional do Sesi, os gastos das empresas brasileiras com a saúde dos trabalhadores somaram US$ 23,7 bilhões entre 2010 e 2014. E este custo apresenta alta anual na proporção de 18%, de acordo com a variação dos custos médicos e hospitalares (VCMH), calculado pelo Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) – entidade criada pelas operadores de saúde.

“Por esse motivo, gerir a saúde dos funcionários nunca foi tão importante. Em época de desaceleração econômica, as empresas que souberem olhar o tema de forma aprofundada e com estratégia poderá encontrar uma nova vantagem competitiva”, afirma Francine.

L.S.
Revista Apólice

Compartilhe no:

Assine nossa newsletter

Você também pode gostar

Feed Apólice

Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

Ads Blocker Detected!!!

We have detected that you are using extensions to block ads. Please support us by disabling these ads blocker.

Powered By
Best Wordpress Adblock Detecting Plugin | CHP Adblock