Ultima atualização 09 de novembro

Mundo terá novas revoluções industriais e tecnológicas em 5 anos

Inovações relacionadas a manufatura, transportes, medicina, educação e espaço prometem trazer novas oportunidades para o mundo e o mercado de seguros

No médio prazo, os países emergentes e menos desenvolvidos terão que focar seus investimentos em inovação e conhecimento, porque as commodities não têm mais o mesmo valor que tinham antes. “Vivemos na economia do conhecimento. Se sairá melhor o país que conseguir exportar trabalho mental e não mais manual”, previu o jornalista Andrés Oppenheimer em palestra no 7º Insurance Service Meeting, realizado pela CNseg entre os dias 8 e 10 de novembro em Angra dos Reis, Rio de Janeiro.

As empresas precisarão encontrar maneiras de vender produtos mais sofisticados e que agreguem valor ao consumidor. Levar isso em conta será muito importante para os países da América Latina, incluindo o Brasil.

Segundo ele, esta tendência se intensificará nos próximos 5 ou 10 anos, devido a cinco revoluções tecnológicas e industriais que o mundo viverá neste período.

A primeira nova revolução industrial se dará em termos da manufatura, com a intensificação do uso de impressoras 3D. Apesar de já existirem há três décadas, esses itens eram muito grandes, o que dificultava sua utilização de forma mais “massificada”. Agora, com impressoras menores, mais pessoas podem usar – é algo parecido com o que ocorreu com o computador pessoal que, ao ser transformado em um item menor por Bill Gates, conseguiu alcançar um número maior de usuários. “Elas vão impulsionar a evolução industrial, porque poderemos imprimir qualquer coisa. As marcas vão disponibilizar o design dos produtos na internet e poderemos comprar esse design, customizar de acordo com nosso gosto e imprimir em 3D”, apontou o jornalista.

A segunda revolução envolve transportes. Montadoras como Audi, Volkswagem e Mercedes-Benz já ofertam carros com sensores que estacionam sozinhos. O Google já apresentou um carro que pode circular sem motorista e alguns estados norte-americanos já autorizaram testes com veiculos sem condutores em suas ruas. Carros que dirigem sem motorista já são realidade, é uma tecnologia que já existe e pode reduzir, e muito, acidentes com automóveis – considerando que 95% destes ocorrem devido a falhas humanas. Com isso, o risco de acidentes seria menor e, consequentemente, o seguro de automóvel não haveria necessidade de cobrir este risco. Estudos indicam que os prêmios de seguro diminuirão 20% até 2017 e 80% de 2018 a 2022 com o uso desta tecnologia. “As seguradoras precisarão diversificar mais seu portfolio”, brincou Oppenheimer. Mas por que essa tecnologia ainda não é aplicada de verdade nas ruas? “Ainda não ficou decidido de quem seria a responsabilidade caso ocorresse algum acidente”, justificou.

Ainda em transportes, outra tecnologia que deverá revolucionar o mundo é o uso de drones – veículos aéreos não tripulados. Hoje eles são usados majoritariamente pela polícia e guarda costeira, mas em breve, nos Estados Unidos, será possível o uso comercial. “A Domino’s (famosa rede de pizzarias norte-americana) está trabalhando para ter drones entregando suas pizzas”, sinalizou Oppenheimer, brincando que “as seguradoras recuperarão os prêmios que perderam em seguro de automóvel garantindo a alta circulação de drones nos céus”.

A terceira revolução tecnológica que deverá ser consistente nos próximos 5 anos será a médica. Hoje, já temos relógios que medem nossos passos, batimentos cardíacos e até quantas horas dormimos à noite. Em breve, este mesmo relógio, ao perceber alterações no seu batimento cardíaco, já enviará os dados automaticamente para seu médico, que entrará em contato para verificar o que houve.

A quarta revolução será a da educação, com a educação individualizada e o auxílio da tecnologia. Os estudantes passarão a estudar em casa e fazer o dever de casa na escola, com a ajuda dos professores.

A revolução espacial será a quinta. Empresas privadas, como a gigante Virgin Galactic, já se articulam para a pesquisa e o turismo espacial, que deverá acontecer muito em breve.

“Essas revoluções representam boas oportunidades para o mercado segurador”, complementou Oppenheimer, acrescentando que os países que se sairão melhor, crescerão mais rapidamente e reduzirão mais a pobreza serão aqueles que investirem mais no trabalho intelectual.

 

Jamille Niero / Revista Apólice

 

Compartilhe no:

Assine nossa newsletter

Você também pode gostar

Feed Apólice

Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

Ads Blocker Detected!!!

We have detected that you are using extensions to block ads. Please support us by disabling these ads blocker.