Ultima atualização 16 de maio

Quem vai pagar a conta das fraudes na saúde suplementar?

Setor registrou um prejuízo operacional acumulado de R$ 11,5 bilhões em 12 meses, o maior em mais de duas décadas, segundo dados da ANS

Com um prejuízo operacional acumulado de R$ 11,5 bilhões em 12 meses, o maior em mais de duas décadas, segundo dados da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), nunca se falou tanto em fraudes, embora não tenham tido início apenas agora.

Nesse contexto, a FenaSaúde (Federação Nacional de Saúde Suplementar) lançou uma campanha para conscientizar a sociedade sobre os problemas e riscos que as fraudes representam a todo o sistema de saúde suplementar. Entretanto, há uma outra palavra, ou conceito, que carece ser debatida à exaustão, sobretudo diante desse cenário: mutualismo, que define as bases de todas as operações de seguros.

Fabiano Catran

O mutualismo é uma associação entre membros de um grupo no qual as contribuições são utilizadas em prol dos próprios participantes. Ou seja, está relacionado à união de esforços de muitos em favor aleatório dos integrantes do grupo. Porém, mais do que saber o seu significado, é preciso entender que não há nada que um beneficiário faça que não impacte todo o grupo, composto pelos mútuos.

A quebra do mutualismo, em outras palavras, pode indicar que qualquer fraude cometida será dividida, ou melhor, impactar, todos os segurados de um determinado grupo. Os riscos e prejuízos decorrentes das fraudes afetam a todas as empresas do setor, sejam seguradoras, clínicas ou hospitais, que podem colapsar e deixar de prestar um serviço valioso à sociedade e ao próprio segurado, que terá que arcar com o prêmio mensal mais alto como consequência do uso indevido ou fraudulento do seguro saúde por alguns.

Evidentemente, já há leis e meios que nos permitem punir os fraudadores, seja na instância cível ou criminal. Mas o impacto causado na quebra do mutualismo diante do mau uso dos planos de saúde por fraudadores é o que precisa ser combatido, sob risco de se colocar todo o sistema de saúde em risco.

A pandemia de Covid-19 ampliou o número de segurados/beneficiários de planos de saúde, que hoje totalizam mais de 50 milhões de pessoas, mas tal aumento em nada garantiu o retorno de um resultado melhor às operadoras e seguradoras de saúde, muito pelo contrário. As fraudes estão corroendo uma atividade essencial à sustentabilidade da saúde da sociedade, inclusive em apoio ao SUS. O que seria motivo para comemoração, segue, portanto, em sentido inverso: as operadoras e seguradoras de saúde registraram prejuízo operacional de R$ 5,5 bilhões nos últimos três meses de 2022, de acordo com a ANS.

No entanto, o rombo é ainda maior. Dados do IESS (Instituto de Estudos de Saúde Suplementar) apontavam, já em 2017, para valores superiores a R$28 bilhões com gastos das operadoras médico-hospitalares do país com contas hospitalares e exames consumidos indevidamente por fraudes e desperdícios com procedimentos desnecessários, muitos deles falsamente lastreados em brechas e permissivos decorrentes de novos marcos legais e/ou regulatórios. Resultado: as contas simplesmente não fecham.

Esse movimento tem feito com que as seguradoras e operadoras de saúde, dia a dia, se empenhem em demonstrar o quão lesivas são as fraudes. As companhias estão investindo cada vez mais em tecnologias de reconhecimento facial e vocal, entre outros recursos, tudo com o propósito de garantir um adequado acesso do segurado ao serviço/produto contratado. A fim de coibir a contratação ou utilização fraudulenta, tem-se que a Inteligência Artificial é utilizada no cruzamento de dados, até mesmo entre as seguradoras e operadoras de saúde.

Quem irá pagar por tudo isso? Todos. As operadoras arcarão, até onde puderem, pois cerca de 80% delas são de pequeno porte, com prejuízos consecutivos, porque os recursos são finitos; e os beneficiários, que, possivelmente, não conseguirão pagar as despesas de um plano médico, dentre outros participantes desse sistema de saúde suplementar.

Ao fechar as portas, as operadoras deixam de dar atendimento e suporte à saúde de um grande contingente de pessoas, numa ponta, e, na outra, colocam ‘na rua’ um grande contingente de médicos, colaboradores, corretores, parceiros, dentre outros profissionais ligados à rede assistencial.

Portanto, falar sobre ameaças à sustentabilidade do negócio das operadoras e seguradoras de saúde deveria servir de alerta a todos os envolvidos: seguradoras/operadoras, beneficiários, corretores, hospitais, clínicas, laboratórios e, ainda, o sistema público de saúde. Mesmo com a relevância do SUS, o que ficou patente durante a pandemia, evidente a relevância da saúde suplementar, ainda mais num país com mais de 200 milhões de habitantes, sendo que destes, 33,3 milhões não têm qualquer acesso à saúde básica. Isso deveria ser, no mínimo, preocupante. Ou ainda há dúvidas de que o SUS não suportaria mais 50 milhões de pessoas?

* Por Fabiano Catran, diretor Institucional e de Clientes da Seguros Unimed

Compartilhe no:

Assine nossa newsletter

Você também pode gostar

Feed Apólice

Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

Ads Blocker Detected!!!

We have detected that you are using extensions to block ads. Please support us by disabling these ads blocker.

Powered By
Best Wordpress Adblock Detecting Plugin | CHP Adblock