Ultima atualização 27 de março

Como a guerra na Europa impacta o mercado de resseguros?

A guerra impactou o setor de seguros e resseguros, podendo representar perdas de até US$ 35 bilhões, segundo a S&P Global

Contrariando a análise de especialistas que acreditavam que uma guerra entre Ucrânia e Rússia não aconteceria, o conflito completou um ano e não há previsão de término. Um exemplo da falta de crença em um conflito são os dados do Relatório de Riscos Globais do Fórum Econômico Mundial de 2022, que classificou o conflito interestatal (“conflito entre estados com consequências globais”) em 27º lugar entre 36 riscos. A rápida escalada do confronto afetou a política e economia muito além do leste europeu e impactou o setor de seguros e resseguros, podendo representar perdas de até US$ 35 bilhões, segundo a S&P Global.

Alguns seguradores e resseguradores decidiram voluntariamente reduzir sua exposição à Rússia não assinando novos contratos ou vendendo suas ações no país. As sanções vindas de outros países também afetaram o cumprimento de contratos, como, por exemplo, a proibição de sinistros para entidades russas. Além disso, muitos contratos possuem cláusulas de exclusão de guerra, ou ainda exclusão a embargos ou sanções, retirando a cobertura dos países que as sofrem. Porém, as consequências indiretas do conflito, que podem afetar empresas e governos, são inúmeras e podem persistir por muito tempo. Isso inclui o risco de novas sanções econômicas e comerciais, além da escassez de commodities e a introdução de novos riscos para cada negócio.

Paulo Esteves Viveiro

Um dos primeiros setores que viu o risco se elevar foi o de energia. Em dezembro de 2021, a Rússia respondia por cerca de 10% da produção mundial de petróleo. Com as sanções ao petróleo e gás russo, países da União Europeia estão tendo de buscar formas alternativas. Um caso de sucesso é o da Alemanha, que rapidamente conseguiu outros fornecedores e em 200 dias construiu o primeiro terminal de importação de gás natural liquefeito (GNL). Uma das possíveis consequências de longo prazo para o setor é a aceleração da transição para fontes de energia renováveis, o que demandará novas cobertura de seguros.

A logística global também foi prontamente afetada pelo conflito. No setor marítimo, o risco de danos físicos às embarcações por ataques a mísseis e bombardeios em zonas de conflito ou perdidos em minas marítimas, cargas bloqueadas ou presas em portos podem aumentar o nível de sinistralidade. As seguradoras que oferecem cobertura para Guerra, listaram o Mar Negro e o Mar de Azov como alto risco, aumentando os valores dos prêmios ou deixaram de oferecer a cobertura. Além disso, os trabalhadores russos representam 10% dos marinheiros do mundo, podendo ter dificuldades de voltar para casa ou se juntarem a tripulações. Desde o início da guerra, as taxas de seguro para embarcações que entram em outras águas russas aumentaram pelo menos 50%, segundo a Reuters. E, conforme mencionado acima, as coberturas de Guerra deixaram de ser oferecidas.

Na aeronáutica, além das sanções que proíbem o fornecimento de aeronaves ou peças para a Rússia, ainda há a expropriação russa de aeronaves arrendadas no exterior, fazendo com que centenas de aeronaves em solo russo jamais sejam devolvidas. A Fitch Ratings alertou que sinistros de até US$ 10 bilhões podem acontecer no seguro aeronáutico, com 30% a 40% de probabilidade de repasse às resseguradoras.

Mas ainda há um setor em que cláusulas de exclusão de guerra podem não ser suficientes. Os ciberataques e violação de dados trazem uma complexidade maior para a análise de risco. De acordo com especialistas no PLUS Cyber Symposium, o número de incidentes cibernéticos fora da Rússia e Ucrânia aumentaram, em especial nos EUA. O seguro cibernético já vivencia nos últimos anos o aumento de preço e de procura, fazendo com que contratos e cláusulas venham se tornando mais complexos. Mas, agora com o conflito em curso, a releitura destes contratos será mais rápida. A partir de 31 de março, seja para o início da cobertura ou renovação do contrato, o Lloyd’s of London terá a cláusula “Exclusões de ataques cibernéticos apoiados por Estado“, em que “os sindicatos devem excluir os ataques cibernéticos apoiados pelo Estado das políticas que protegem contra danos físicos e digitais causados por hackers”. O objetivo é que fique mais claro o que as seguradoras cobrirão ou não.

Após a pandemia de Covid-19, as ramificações profundas no mercado global de um conflito geopolítico como o que acontece no leste europeu volta a ser destaque. Ter um conhecimento robusto desses riscos complexos e diversos é fundamental para identificar os desafios antes que os sinistros aconteçam.

* Por Paulo Esteves Viveiro, presidente de Resseguros da THB Brasil

Compartilhe no:

Assine nossa newsletter

Você também pode gostar

Feed Apólice

Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

Ads Blocker Detected!!!

We have detected that you are using extensions to block ads. Please support us by disabling these ads blocker.