Ultima atualização 10 de julho

Estudo destaca implicações de longo alcance dos ataques cibernéticos

Relatório do Lloyd’s usa ataques cibernéticos à rede elétrica americana como exemplo. Custo seria de mais de US$1 trilhão

Estudo destaca implicações de longo alcance dos ataques cibernéticos

O Lloyd’s e o Centro de Estudos de Risco da Universidade de Cambridge lançaram o relatório Business Blackout. O documento, em conjunto, é o primeiro a examinar as implicações de um grande ataque cibernético para os seguros, usando a rede elétrica dos Estados Unidos como exemplo.

O levantamento apresenta um cenário onde hackers derrubam partes da rede elétrica dos Estados Unidos deixando 15 estados americanos (incluindo Washington DC) no escuro e 93 milhões de pessoas sem energia. Especialistas preveem que o cenário resultaria em um aumento nas taxas de mortalidade, já que sistemas de saúde e segurança falhariam, o comércio sofreria – pois os portos não poderiam operar –, haveria interrupção no fornecimento de água uma vez que as bombas elétricas não funcionariam e caos nas redes de transportes, devido ao colapso da infraestrutura.

O impacto total na economia americana está estimado em US$ 243 bilhões, aumentando para mais de US$ 1 trilhão na hipótese mais extrema do cenário. Esta simulação de ataque cibernético mostra o leque de sinistros que poderiam ser desencadeados pela interrupção na rede elétrica americana, com um valor total em sinistros pagos pela indústria de seguros estimado em US$ 21,4 bilhões, podendo aumentar até US$ 71,1 bilhões na versão mais extrema do cenário.

“Este cenário mostra o enorme impacto e estrago que poderia resultar de um grande ataque cibernético nos Estados Unidos. A realidade é que o mundo moderno, digital e interconectado cria condições para danos significativos, e sabemos que existem pessoas mal-intencionadas com habilidades e interesses em causar danos,” declara o diretor de gerenciamento de performance do Lloyd’s, Tom Bolt.

O executivo acrescenta que este tipo de seguro tem potencial para ser uma ferramenta valiosa para melhorar o gerenciamento e a resiliência contra riscos cibernéticos e acrescenta que os governos também tem um papel a cumprir. “Precisamos que eles ajudem a compartilhar dados, para que possamos avaliar precisamente os riscos e proteger as empresas”.

L.S.
Revista Apólice

Compartilhe no:

Assine nossa newsletter

Você também pode gostar

Feed Apólice

Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

Ads Blocker Detected!!!

We have detected that you are using extensions to block ads. Please support us by disabling these ads blocker.