Ultima atualização 17 de agosto

IRB Brasil RE diminui índice de prejuízo no 2º trimestre

Os prêmios emitidos pela empresa no exterior totalizaram R$ 919,3 milhões, o que representou redução de 33,3% quando comparado ao 2º TRI de 2020

EXCLUSIVO – O IRB Brasil RE realizou na manhã desta terça-feira, 17 de agosto, uma coletiva de imprensa online para apresentar os resultados conquistados pela companhia durante o segundo trimestre de 2021. Participaram do evento Wilson Toneto, presidente interino e vice-presidente Executivo Técnico e de Operações; Werner Suffert, vice-presidente Executivo Financeiro e de Relações com Investidores; Isabel Blazquez Solano, vice-presidente Executiva de Resseguros; e Carlos André Guerra, vice-presidente Executivo de Riscos, Conformidade e Jurídico.

A empresa sofreu um prejuízo líquido de R$ 206,9 milhões, o que demonstra uma melhora em comparação ao segundo trimestre de 2020, quando este montante foi de R$ 656,7 milhões. Nos primeiros seis meses deste ano o índice foi ainda mais positivo e o ressegurador registrou uma melhora, totalizando R$ 465 milhões, com prejuízo líquido de R$ 156,1 milhões. Esse resultado foi consequência principalmente do cenário econômico, ainda impactado pela pandemia; pelos sinistros decorrentes de negócios descontinuados (run-off), com efeito de R$ 190,3 milhões; e por eventos não recorrentes (one-offs) de R$ 14,4 milhões. Se desconsiderados esses efeitos, o IRB teria apresentado um prejuízo líquido de R$ 31 milhões no 2T21.

No segundo trimestre de 2021 a companhia obteve resultado de subscrição superior ao verificado no mesmo período do ano passado em quase R$ 700 milhões, o que acabou superando os resultados esperados para este ano. Além disso, a empresa apresentou uma queda de 39,6 p.p na sinistralidade ante o mesmo trimestre do ano anterior, diminuindo de 135,3% para 95,7%. Se desconsiderado o run-off), o índice foi 84,7%.

Toneto ressaltou durante a coletiva que a natureza da atividade da empresa está sujeita a sazonalidades mensais e trimestrais, não devendo ser consideradas para projeções de resultados dos próximos meses. “A indústria de resseguros é um mercado de resultados voláteis. Nós geramos resultados positivos e recorrentes por trimestres consecutivos, o que mostra o nosso trabalho focado no curto, médio e longo prazo”, afirmou o executivo.

O volume total de prêmios emitidos pelo IRB no segundo trimestre caiu 15,1% quando comparado com o mesmo período de 2020, totalizando R$ 2,16 bilhões. O prêmio emitido no Brasil correspondeu a R$ 1,24 bilhão no 2T21, um crescimento de 6,6% na comparação com o 2T20 devido a um maior volume nas linhas de Vida (+42,9%), Rural (+34%) e outros (+34,5%). Este índice acabou sendo compensado pela redução de 50,6% no segmento Aviação, em virtude de ajustes decorrentes da descontinuidade de contratos, e pela queda de 21,6% no Patrimonial. Os prêmios emitidos no exterior totalizaram R$ 919,3 milhões no 2T21, o que representou redução de 33,3% em relação ao 2T20.

Telegram para post

A companhia, pelo quarto trimestre consecutivo, apresentou uma geração de caixa operacional positiva. No semestre foram R$ 528 milhões e no trimestre R$ 352 milhões. Suffert destacou que apesar dos negócios descontinuados desde julho do ano passado, houve uma melhora em todos os indicadores em relação a 2020. “A tendência é melhorarmos cada vez mais esses números. O resultado financeiro deste trimestre foi uma combinação entre uma melhor receita e a diminuição das despesas administrativas, o que torna o IRB uma empresa cada vez mais sólida”.

O IRB registrou, ao fim do segundo trimestre de 2021, excesso de capital regulatório de R$ 1,2 bilhão, o que equivale a um índice de solvência de 175% (patrimônio líquido ajustado /capital de risco total), ao mesmo tempo em que o índice de solvência total da organização (geralmente utilizado em outros países) alcança o patamar de 273%. Ambos os indicadores apresentam posições melhores que o último trimestre de 2020.

Além disso, a companhia encerrou o mesmo período com suficiência no enquadramento da liquidez regulatória de R$ 335,5 milhões, em comparação aos R$ 167,5 milhões verificados em 31 de dezembro de 2020. Excluindo-se a margem adicional de 20% sobre o capital de risco, o ressegurador registrou, em 30 de junho deste ano, uma suficiência de ativos elegíveis para garantia das provisões técnicas de R$ 644,1 milhões. “Limpamos o portfólio ao excluir contratos com grande representatividade, mas poucos lucrativos. Foram quatro contratos cancelados em 2020 e 13 em 2021. Apesar dessas baixas, conseguimos conquistar novos negócios importantes para a empresa”, disse Isabel.

A publicação pela Susep, em julho, da Circular 634, que regulamentou a Resolução CNSP 412, abrirá novas perspectivas às resseguradoras no Brasil. A partir de agosto, o IRB permitirá a utilização de determinados ativos como redutores de provisões técnicas nas garantias das operações internacionais. Além disso, em dezembro deste ano haverá a eliminação da exigência da margem de liquidez de 20% do capital de risco, o que também é positivo. “Estamos em um processo de revolução normativa, o que é fundamental para que o mercado como um todo possa evoluir. Todas as ações adotas pela organização, juntamente ao avanço da regulamentação no Brasil, vão permitir que a empresa melhore sua capacidade financeira e ofereça mais tranquilidade aos clientes”, ressaltou Guerra.

Nicole Fraga
Revista Apólice

* com informações da assessoria de imprensa

Compartilhe no:

Assine nossa newsletter

Você também pode gostar

Feed Apólice

Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

Ads Blocker Detected!!!

We have detected that you are using extensions to block ads. Please support us by disabling these ads blocker.