Ultima atualização 18 de outubro

Mais de 40% das pessoas que possuem seguro saúde são da classe C

Nos próximos anos, 8 em cada 10 novos usuários de planos de saúde serão das classes C, D e E. Dados fizeram parte da apresentação do diretor do Instituto Data Popular, Renato Meirelles, no 18o Congresso Brasileiro de Corretores

Hoje, 43% das pessoas que têm seguro saúde pertencem à classe C. E este número ainda deve aumentar. Nos próximos anos, 8 em cada 10 novos usuários de planos de saúde serão das classes C, D e E. Essas informações foram apresentadas pelo sócio-diretor do Instituto Data Popular, Renato Meirelles. “O cenário do mercado de plano de saúde no Brasil está mudando”, disse o pesquisador nesta sexta-feira, 18, durante palestra para corretores no 18º Congresso Brasileiro de Corretores, evento realizado pela Fenacor entre os dias 16 e 18 de outubro.

Segundo Meirelles, que participou do painel “Desejos e aspirações dos consumidores de planos de saúde”, uma prova de que o cenário de saúde suplementar está mudando pode ser vista os gastos da população com saúde, que aumentaram 54% de 2002 a 2013. Além disso, hoje se gasta mais com remédios do que com os serviços prestados. Em 2002, era o inverso.

Hoje, 24% dos brasileiros têm plano de saúde. Destes, 6% correspondem a pessoas da classe baixa, 26% a classe média e 66% são das classes A e B.

A penetração do seguro saúde é maior na região sudeste do país. Porém, o crescimento é maior no interior dos estados e nas regiões nordeste e centro-oeste. “É mais fácil crescer onde a penetração de seguros é menor”, recomendou Meirelles aos corretores.

De acordo com ele, as pesquisas realizadas pelo Data Popular apontaram que quanto menor é a renda da população, mais recente é a contratação do planos de saúde. “Mais de um terço dos usuários da classe C tem plano de saúde há menos de três anos. Eles ainda estão aprendendo a lidar com a utilização do produto”, observou.

Dos 48 milhões de brasileiros que possuem plano de saúde, 19% relataram que precisaram de atendimento médico nos últimos 15 dias. Desses, 16% deles usaram o serviço público e não a assistência médica privada contratada. Do total de pessoas que têm plano de saúde, 54% contam que já usaram o SUS mesmo depois de adquirir plano de saúde.

A mulher também aumentou sua influencia na aquisição de serviços e produtos. Pesquisa do Data Popular indicou que 71% dos homens preferem mudar de opinião para não brigar com a esposa e 73% dos homens casados afirmam que mulher é quem dá a palavra final sobre a decisão de adquirir o plano de saúde.

Outro ponto a ser considerado é a comunicação com o consumidor da classe C, que é diferente da comunicação desenvolvida para a elite. A percepção dos novos consumidores é diferente.   “O grande desafio para conquistar o novo mercado é romper o que separa o mundo corporativo da classe C. O papel do corretor é fazer com que o consumidor entenda o que está comprando. A lógica do mundo corporativo é diferente da do consumidor. O repertório e a educação do mundo corporativo é diferente”, demonstrou Meirelles.

Conforme ele, boa parte das reclamações sobre plano de saúde tem a ver com a falta de entendimento sobre o que foi vendido e o que foi comprado. “Os corretores que souberem entender a mudança da economia brasileira e do perfil do novo segurado tem a chance de crescer”, opinou.

O que é a nova classe média?

Meirelles traçou um painel da nova classe média brasileira. Ela é formada por famílias com renda de R$ 1,5 mil a R$ 4 mil. A classe média brasileira é mais rica do que 54% da população mundial. A classe média brasileira consome mais do que a Holanda ou a Suíça inteiras. Se fosse um país, essa parcela da sociedade brasileira seria o 12º maior país considerando o tamanho da população e o 18º maior em consumo.

A classe média brasileira se diferencia da mesma faixa populacional em outros países. Isso porque no Brasil, a classe média cresce de baixo para cima. Ou seja, é formada por pessoas que emergiram das classes D e E. Já em países como a Espanha e a Grécia, a classe média também cresce, mas é porque os mais ricos estão empobrecendo e não os mais pobres enriquecendo.

Segundo Meirelles, é preciso levar isso em conta para desenvolver estratégias para conquistar os novos consumidores brasileiros. “O primeiro desafio para vender seguro para as classes ascendentes é desenvolver estratégia de comunicação para esse mercado. A elite que está no mundo corporativo não entende os valores da classe C”, disse.

Uma pesquisa realizada com patroas e empregadas domésticas comprovou que o consumo destas duas parcelas da população seguem lógicas diferentes. “As empregadas seguem a lógica da fartura e as patroas a da exclusividade”, indicou.

Jamille Niero / Revista Apólice

Compartilhe no:

Assine nossa newsletter

Você também pode gostar

Feed Apólice

Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

Ads Blocker Detected!!!

We have detected that you are using extensions to block ads. Please support us by disabling these ads blocker.